Vídeos e Imagens: Exercício naval "UNITAS 2019"

28-08-2019

USS Carter Hall visto do Porta-Helicópteros Atlântico / foto via: U.S. Naval Forces Southern Command & U.S. 4th Fleet
USS Carter Hall visto do Porta-Helicópteros Atlântico / foto via: U.S. Naval Forces Southern Command & U.S. 4th Fleet

A Marinha do Brasil encontra-se a realizar e a sediar a fase do Oceano Atlântico da 60ª edição da UNITAS. 

De forma a dar seguimento informativo ao já aqui referenciado exercício UNITAS (fase atlântico), a decorrer desde 19 de Agosto até ao dia 30 do presente mês, partilhamos imagens e vídeos, publicamente disponibilizadas na web, das referidas manobras navais, a terem como teatro as águas próximas ao Rio de Janeiro, Brasil.

Operacionais dos Estados Unidos e da Marinha Chilena / foto via: U.S. Southern Command (SOUTHCOM)
Operacionais dos Estados Unidos e da Marinha Chilena / foto via: U.S. Southern Command (SOUTHCOM)

A sede do exercício é estabelecida por meio de uma filosofia de rotação entre os participantes, sendo que os exercícios navais estendem-se por diferentes regiões e fases. Ainda que num primeiro momento, o de criação, o objectivo da UNITAS fosse contrariar a "ameaça soviética" em contexto da Guerra Fria, as operações navais foram, com o passar dos anos e em conformidade com as mudanças geopolíticas globais, ampliando-se para novos espectros da guerra naval. A edição deste ano da UNITAS do Oceano Atlântico, centra-se em especial, por decisão do Brasil e parceiros, na exercitação e projecção de forças anfíbias, colocadas num contexto assimétrico, fundamentalmente inserido num cenário de crise humanitária.

Na imagem, o USS Carter Hall (ao fundo), Porta-Helicópteros Atlântico (ao centro) e Navio Doca Bahia (mais perto da foto), lideram formatura durante exercitações navais / Marinha do Brasil
Na imagem, o USS Carter Hall (ao fundo), Porta-Helicópteros Atlântico (ao centro) e Navio Doca Bahia (mais perto da foto), lideram formatura durante exercitações navais / Marinha do Brasil

Estão presentes, além do Brasil, meios e delegações da Argentina, Chile, Colômbia, Equador, EUA, México, Panamá, Paraguai, Peru e Reino Unido, no entanto, para o Rio de Janeiro, só os Estados Unidos, o Peru, Argentina e, o próprio Brasil, deslocam meios propriamente ditos. Portugal e Japão também estão presentes, mas apenas como observadores.

U.S. Southern Command (SOUTHCOM)
U.S. Southern Command (SOUTHCOM)

A Marinha dos Estados Unidos está a projectar um dos seus navios de desembarque, o "USS Carter Hall", o Peru participa com a sua corveta "Ferré" e a Argentina com duas embarcações, concretamente a fragata "ARA Almirante Brown" e o navio de transporte "ARA Bahía San Blas".

Fuzileiros Peruanos durante a UNITAS / foto via: Marinha de Guerra do Peru
Fuzileiros Peruanos durante a UNITAS / foto via: Marinha de Guerra do Peru
Fuzileiros Peruanos durante a UNITAS / foto via: Marinha de Guerra do Peru
Fuzileiros Peruanos durante a UNITAS / foto via: Marinha de Guerra do Peru
Unidade de abordagem peruana durante a UNITAS / foto via: Marinha de Guerra do Peru
Unidade de abordagem peruana durante a UNITAS / foto via: Marinha de Guerra do Peru

O Brasil está a exercitar o Porta-Helicópteros "Atlântico", Navio Doca Polivalente "Bahia", fragatas "Constituição", "Liberal" e "Rademaker", Patrulha Oceânico "Apa", Navio de Apoio "Purus", Patrulha "Guaropé" e "Macaé, assim como o submarino "Tupi". 

A Marinha Brasileira mobiliza também meios aéreos, nomeadamente helicópteros Super Cougar, Seahawk, Super Lynx, Esquilo e Skyhawk. O exercício tem também o apoio dos aviões de patrulha marítima P-3AM Orion e Bandeirante da Força Aérea deste país, a Força Aérea dos Estados Unidos também irá empregar um avião, o P-8 Poseidon de guerra submarina e de superfície.

__________________________

UNITAS Pacífico 

Enquanto no Atlântico a UNITAS se distingue pela exercitação e projecção de forças anfíbias, com recurso aos respectivos navios e meios de apoio, a fase do Pacífico, por sua vez, dependeu mais de meios combatentes. 

Fragata (tipo Type23) Almirante Condell da Marinha Chilena
Fragata (tipo Type23) Almirante Condell da Marinha Chilena

De 30 de Junho a 19 de Julho realizou-se também a fase do Pacífico da UNITAS, em águas chilenas. Nesta fase, a Armada Chilena contribuiu com três fragatas, um navio abastecedor, dois navios patrulha e um submarino, assim como helicópteros. 

A UNITAS Pacífico focou-se na guerra anti-submarina, tiro naval, treinamento de manobras navais, troca de combustível entre navios, busca e salvamento, assim como também foi simulado um cenário de crise humanitária por seguimento de um forte abalo sísmico.

Enquanto no Atlântico a UNITAS se distingue pela exercitação e projecção de forças anfíbias, com recurso aos respectivos navios e meios de apoio, a fase do Pacífico, por sua vez, dependeu mais de meios combatentes, portanto expressamente mais modernos e dedicados para o efeito.

Portugal Defense News ...and global

Artigos de Relevância

Operação UNITAS 

Marinha Brasileira irá realizar, de 19 a 30 de Agosto, nas águas ao largo do Rio de Janeiro, a edição de 2019 da Operação UNITAS. Marinha daquele país irá empregar um total de 10 navios, em diferentes fases das operações navais.

A Marinha do Brasil irá realizar a 60ª edição da Operação UNITAS, com exercitações navais a terem foco junto a águas do Rio de Janeiro. O país irá empregar um total de 10 navios, junto com meios de outros 3 países.

Terminou o exercício multinacional Contex/Phibex, o maior exercício organizado pela Marinha, em Portugal, nos últimos dois anos.

O último dia do exercício caracterizou-se pela demonstração de capacidades, ao largo de Setúbal, que contou com a presença do Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, da Secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto e do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, António Mendes Calado.


"Marinha Portuguesa lançou mísseis durante um exercício naval, é a primeira vez que o faz em 10 anos"

Assista à reportagem mais recente do exercício, publicada a 18 de Julho pela TVI

Últimos artigos  

"Operação Primavera de Paz", também denominada "Fonte de Paz", é mais um capítulo na guerra da Síria que assola o país desde 2011. A invasão turca tem o potencial de alterar, mais uma vez, o mapa político e étnico na região.