7ª FND para a RCA exercita-se com novo armamento e viaturas blindadas

25-01-2020

Militares da 7.ª FND empenham as novas espingardas Scar H e Glock-17Gen5 / Exército Português
Militares da 7.ª FND empenham as novas espingardas Scar H e Glock-17Gen5 / Exército Português

Na preparação para a missão, os militares têm treinado com as novas espingardas FN SCAR L 5,56mm e H 7,62mm, metralhadoras FN MINIMI, pistolas Glock 17 Gen5, assim como com a nova Viatura de Alta Mobilidade Táctica (VAMTAC) ST5 da espanhola Urovesa.

A 7.ª Força Nacional Destacada (FND) para a República Centro-Africana, com base no 2.º Batalhão de Infantaria Paraquedista do Exército Português, tem estado em fase de aprontamento para posterior empenhamento naquele país africano, onde irá render a 6.ª FND, também constituída na sua maioria por paraquedistas, ali desdobrada como "Força de Reação Rápida", integrada como parte do empenhamento português na Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (Minusca).

Militares da 7.ª FND empenham as novas espingardas Scar H e Glock-17Gen5 / Exército Português
Militares da 7.ª FND empenham as novas espingardas Scar H e Glock-17Gen5 / Exército Português

Na preparação para a missão, os militares têm treinado com as novas espingardas FN SCAR L 5,56mm e H 7,62mm, metralhadoras FN MINIMI, pistolas Glock 17 Gen5, assim como com a nova Viatura de Alta Mobilidade Táctica (VAMTAC) ST5 da espanhola Urovesa.

As armas da belga FN Herstal (Fabrique Nationale d'Herstal) vieram substituir as veteranas G3, assim como as HK 21, MG42 e MG3, como parte de um contrato anunciado no início de 2019, no valor de 42 milhões de euros, para o fornecimento de 15 mil espingardas automáticas Scar L, 550 Scar H, 2000 mil lança-granadas FN40GL, assim como 1400 metralhadoras FN Minimi Mk3 7,62mm e 5,56mm. Foram também adquiridos os sistemas ópticos a serem acoplados nas armas. Trata-se de uma mira robusta de ponto vermelho, sem aumentos, com pouco consumo de bateria e um filtro frontal para melhorar a camuflagem da arma, para uso na espingarda de assalto FN L e metralhadora ligeira Minimi 5,56mm. 

Militar da 7.ª FND faz uso da nova Scar H 7,62mm em função de "Atirador Especial" / Exército Português
Militar da 7.ª FND faz uso da nova Scar H 7,62mm em função de "Atirador Especial" / Exército Português

As Scar H 7,62mm, pensadas para serem empenhadas pelos "atiradores especiais", talvez melhor denominados de "marksmen", atirador designado ou simplesmente atirador, vêm com uma mira com aumentos variáveis, com um retículo iluminado e com linhas de "estádia" facilitando e permitindo o tiro a diferentes distâncias e em diferentes condições de luminosidade. A Minimi em calibre 7,62x51mm, metralhadora média, também contará com um sistema óptico de três aumentos, menos que os seis da mira de atirador especial, que permitem um maior campo de visão para suprimir um maior conjunto de alvos a maiores distâncias quando comparado com a metralhadora ligeira em calibre 5,56.

Militares da 7.ª FND empenham as novas espingardas Scar H 7,62mm e Scar L 5,56 / Exército Português
Militares da 7.ª FND empenham as novas espingardas Scar H 7,62mm e Scar L 5,56 / Exército Português

As pistolas Glock 17Gen5, de 9mm, fazem parte de um contrato de cerca de um milhão de euros, com base num processo iniciado em 2018 e que terminou em Setembro de 2019, que previu a aquisição de 3000 destas armas austríacas

Os blindados VAMTAC ST5 começaram a passar pelo processo de aceitação em Outubro e fazem parte de um contrato que prevê a aquisição de 139 viaturas, num valor de 60,8 milhões de euros. As URO, irão reforçar as capacidades de mobilidade e transporte táctico blindado do exército e fazem parte de uma concorrência encetada em 2016. A doutrina a ser aplicada neste novo meio do exército prevê o seu uso como complemento aos Pandur II de oito rodas, inseridas nas unidades das Brigadas de Reacção Rápida e de intervenção. Os URO vêm colmatar uma lacuna já identificada desde os anos 2000.

Militares da 7.ª FND exercitam-se com os novos URO VAMTAC / Exército Português
Militares da 7.ª FND exercitam-se com os novos URO VAMTAC / Exército Português

Dos 139 blindados previstos, 107 destinam-se ao transporte de tropas (versões "standard"), 13 são viaturas sanitárias, 12 para operações especiais e 7 estão equipados como posto de comando. 126 incluirão o sistema ROSY_L "Rapid Obscuring System" (Sistema de obscurecimento rápido), da Rheinmetall, que consiste em proteger veículos de ataques de fogo guiado e não guiado, por meio do uso de cortinas dinâmicas de fumos, capazes de inviabilizar a capacidade de engajamento de mísseis guiados, assim como de ocultar a viatura alvo do campo de visão do inimigo. Efectivamente, o Rosy L consegue contrariar todas as armas anti-carro disponíveis, sejam elas guiadas por TV, EO, IR, IIR, laser ou SACLOS.

A nova Glock 17Gen5 do Exército Português / Exército Português
A nova Glock 17Gen5 do Exército Português / Exército Português

Com a entrada progressiva dos novos VAMTAC não existem ainda certezas quanto ao futuro operacional dos dois lotes de Humvee´s de fabrico americano actualmente em serviço. A versão M1025A2 adquirida pelo exército em 2000 (só depois em 2005 recebeu blindagem, dando-lhe a designação de "APK") para cumprir serviço em Timor-Leste deverá ser totalmente substituída, no entanto, presume-se que a versão 1151A1 se mantenha em serviço activo junto do Exército, dado o seu valor militar e ao facto de que, em comparação ao primeiro lote recebido, foi adquirida mais recentemente.

As recentes aquisições fazem parte de um "pacote" maior de modernização do ramo terrestre, que também inclui, mas não se restringe, a aquisição de novo fardamento, coletes balísticos e capacetes, de fabrico nacional, já em uso pelos militares actualmente empenhados no Iraque. Está também a decorrer um outro projecto para a compra de um novo modelo de VTMB (Viatura Táctica Média Blindada) e VTM (Viatura Táctica Média-não blindada) de quatro rodas, orçado em 133,3 milhões de euros, que deverá ser concluído até 2023 e terá forte ênfase na capacidade de comando e controlo do exército.

Os militares portugueses no Iraque já estão equipados com o novo fardamento / Exército Português
Os militares portugueses no Iraque já estão equipados com o novo fardamento / Exército Português


Artigo sujeito a edição...

Actualização a 25/01/2020 - alteração estrutural do 8.º e 9.º parágrafo

Última actualização a 12/02/2020 - O Portugal Defense News errou, ao referir, no início deste artigo, que a 6.ª FND era constituída na sua maioria por Comandos. Tal está agora corrigido, sendo agora referido que a dita Força Nacional Destaca é de facto constituída na sua maioria por paraquedistas. O motivo deste lapso, centra-se no facto de que as FND´s enviadas para a RCA têm tido uma constituição alternada entre Tropas Comandos e Paraquedistas, tal não foi agora o caso, visto que tanto a 6.ª como a 7.ª têm maioritariamente inseridos militares das Tropas Paraquedistas. Embora tal fosse de perfeito conhecimento, não nos impediu, portanto por pura distracção (tanto que em matérias anteriores, assim como em seguintes referências da presente matéria, tal lapso não ocorreu), de cometer este erro.

Portugal Defense News ...and global

O Exército Português está a semanas de receber as suas primeiras 10 viaturas VAMTAC da Urovesa

O Exército Português está a escassas semanas de receber as primeiras dez viaturas URO VAMTAC (Viatura de Alta Mobilidade Táctica) da fabricante espanhola Urovesa, parte de um contrato que prevê a aquisição de 139 blindados por um valor, ao que tudo ainda indica, de 60,8 milhões de euros.

Inicialmente o exército contava receber todos os blindados até 2020, mas o facto de que só em Outubro, sabe-se agora, irão ser recebidas as primeiras dez, faz com que o prazo para a entrega da ultima viatura seja, presumivelmente, já bem no decorrer de 2020 ou depois. (...)

O Exército Português terá seleccionado a Glock 17 para substituir as velhas Walther P38, adoptadas em 1961

O Exército Português vai, de acordo com o Correio da Manhã, substituir as velhas pistolas de desenho alemão Walther P38/M961, de 1939, adoptadas por Portugal em 1961. De acordo com este jornal, o contrato, de cerca de um milhão de euros, prevê a compra de cerca de 3.000 pistolas austríacas Glock-17 de 5ª geração, a última variante do referido modelo 17.

O processo, iniciado em 2018 por meio da NSPA, iniciais para Nato Support Procurement Agency, ou em português, Agência de Suporte de Compras da OTAN, veio depois de um outro (...)

Os URO VAMTAC ST5 vêm colmatar uma lacuna já identificada desde os anos 2000

Foi já em 2018 que foi anunciado pela primeira vez que o Exército Português teria, por meio da Agência de Compras da NATO, optado pelo URO VAMTAC (Viatura de Alta Mobilidade Táctica) como a próxima "Viatura Táctica Ligeira Blindada" (VTLB).

O concurso que visava reforçar as capacidades de mobilidade e transporte táctico blindado do exército tinha já sido assinado em 2016, com mais de 60 milhões de euros alocados para a compra de 167 viaturas, no entanto, nem a espanhola UROVESA que fabrica o VAMTAC e nem a outra concorrente, a turca Katmerciler, se disponibilizaram ao orçamento português. (...)

Últimos artigos