Exercício naval CONTEX-PHIBEX 2019

20-06-2019

NRP Corte Real, da classe Vasco da Gama foto: Marinha Portuguesa
NRP Corte Real, da classe Vasco da Gama foto: Marinha Portuguesa

As operações irão envolver o disparo de mísseis, operação de veículos autónomos e desembarques anfíbios 

Está a decorrer, desde o passado dia 17, o maior exercício naval organizado pela Marinha Portuguesa em 2019, o CONTEX-PHIBEX. A fragata portuguesa Corte Real, no decorrer do exercício, será a responsável por comandar a Força Naval Europeia (EUROMARFOR -European Maritime Force), constituída por meios navais de França, Itália, Portugal e Espanha.

De acordo com comunicado da Marinha Portuguesa, o CONTEX-PHIBEX irá ser trabalhado no sentido de "melhorar a prontidão, competências e capacidades, bem como para manter os níveis de interoperabilidade entre as Marinhas, enfrentando todas as possíveis ameaças à segurança marítima comum", 

Fragata Álvares Cabral, da classe Vasco da Gama (navio mais próximo da imagem) foto: Marinha Portuguesa
Fragata Álvares Cabral, da classe Vasco da Gama (navio mais próximo da imagem) foto: Marinha Portuguesa

A dia 19, após dois dias de treinos na Base Naval de Lisboa, "navios, fuzileiros e mergulhadores", iniciaram oficialmente a "fase de mar" do exercício. As manobras tiveram assim início, envolvendo também aeronaves da Força Aérea Portuguesa e meios da Marinha dos Estados Unidos.

O CONTEX-PHIBEX19 tem como objectivos melhorar a proficiência da esquadra da Marinha Portuguesa e dos fuzileiros que, juntamente com aliados, irão interagir num cenário "multidimensional, no âmbito das operações de respostas a crises."

Submarino Tridente, que dá o nome à sua classe / foto:Marinha Portuguesa
Submarino Tridente, que dá o nome à sua classe / foto:Marinha Portuguesa

Para além da fragata NRP Corte Real, a Marinha Portuguesa irá também empenhar a NRP Álvares Cabral, da mesma classe, o submarino Tridente, patrulhas oceânicos NRP Setúbal e Figueira da Foz, da classe Viana do Castelo, navio abastecedor NRP Bérrio, o hidrográfico NRP Almirante Gago Coutinho, patrulha NRP Tejo e as lanchas NRP Dragão e NRP Escorpião, totalizando 10 navios. Força de fuzileiros e mergulhadores também estarão envolvidos.

As operações irão envolver o disparo de mísseis, operação de veículos autónomos e desembarques anfíbios, contribuindo significativamente para "a manutenção dos elevados padrões de prontidão e interoperabilidade das unidades participantes, bem como a coesão de todas as forças e comandos envolvidos, nomeadamente da Força Naval Portuguesa e da Força Marítima Europeia".

NRP Figueira da Foz, da classe Viana do Castelo / foto:Marinha Portuguesa
NRP Figueira da Foz, da classe Viana do Castelo / foto:Marinha Portuguesa

A NRP Corte Real, depois do exercício, navegará para Marrocos, para a execução de actividades de treino e cooperação com a Marinha Real Marroquina. Já a Fragata Corte Real, da mesma classe, também retornou recentemente de Cabo-Verde, onde esteve presente para a celebração do Dia de Portugal.

Estas duas fragatas, assim como o navio "irmão",NRP Vasco da Gama, que dá nome à classe, têm marcado um período de modernização e revitalização, estipulado na nova Lei de Programação Militar.

NRP Bérrio(A5210), que dá o nome à sua classe /foto: Marinha Portuguesa
NRP Bérrio(A5210), que dá o nome à sua classe /foto: Marinha Portuguesa

Portugal assumiu a 19 de Setembro de 2017, por um período de dois anos, o comando rotativo da EUROMARFOR, actualmente comandada pelo comandante naval da Marinha, vice-almirante Gouveia e Melo.

A EUROMARFOR é uma força naval multinacional, activada especificamente para o cumprimento de missões e operações navais, aéreas e anfíbias, conseguindo, num curto espaço de tempo, ser empregue em missões humanitárias, de salvamento, manutenção da paz, de combate, gestão de crises e restabelecimento da paz.

Portugal Defense News ...and global

Últimos artigos  

"Operação Primavera de Paz", também denominada "Fonte de Paz", é mais um capítulo na guerra da Síria que assola o país desde 2011. A invasão turca tem o potencial de alterar, mais uma vez, o mapa político e étnico na região.