Roménia compra novo lote de F-16 portugueses

28-01-2020

F-16MLU e um P-3 (ao fundo) da Força Aérea Portuguesa em operação no Báltico em 2018 / FAP
F-16MLU e um P-3 (ao fundo) da Força Aérea Portuguesa em operação no Báltico em 2018 / FAP

Assinado contrato para a venda de mais 5 caças F-16 à Roménia, no valor de 130 milhões de euros. Aparelhos vão se juntar aos 12 que já tinham sido vendidos para aquele país.

No passado dia 27 de Janeiro, na Base Aérea n.º5, em Monte Real, a Força Aérea Portuguesa (FAP) recebeu a visita do Ministro da Defesa da Roménia, General Nicolae-lonel Ciucã, para a assinatura de um contrato de alienação de cinco aeronaves F-16 para aquele país, no valor de 130 milhões de euros. Na cerimónia estiveram presentes o Ministro da Defesa Nacional, Prof. Doutor João Gomes Cravinho, assim como o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Joaquim Borrego.

Trata-se da segunda vez que tal ocorre, depois de que em Outubro de 2013, o governo de Portugal e da Roménia acordaram a transferência de 12 células F-16, num processo de investimento de 628 milhões de euros, como parte do esforço de Bucareste em renovar a sua arma aérea. Deste montante, apenas 186 milhões de euros se designaram a serem entregues a Portugal, sendo que deste valor, 108,2 milhões foram gastos na preparação e modernização das aeronaves, em formação, treino e apoio logístico, bem como na preparação de pessoal romeno para assegurar a operação, apoio e manutenção técnica dos aviões que entretanto vieram a operar. A quantia restante dos 628 milhões de euros destinou-se a sustentar toda a logística em que aquele país entretanto teve que investir, como é o caso de infraestruturas, hangares, oficinas, adaptação de pistas de pouso e descolagem, sistemas informáticos para controlo e gestão, assim como em recursos humanos. Terão sido formados nove pilotos e 79 técnicos romenos.

F-16 romenos fotografados ainda em Portugal a Dezembro de 2016 / FAP
F-16 romenos fotografados ainda em Portugal a Dezembro de 2016 / FAP

Desta primeira dúzia de aparelhos, apenas nove tiveram proveniência nos estoques nacionais, visto que os restantes foram comprados em carcaça aos Estados Unidos, tendo sido posteriormente preparados, revistos e modernizados em Portugal. Portanto, dos 39 caças que a Força Aérea Portuguesa dispunha, depois da entrega à Roménia, em 2017, dos últimos aparelhos do primeiro lote, sobraram 30 aviões.

Em Maio de 2019, a FAP recebeu mais um F-16, o primeiro de três a serem modernizados pela OGMA (Oficinas Gerais de Material Aeronáutico). O avião com o "tail number" 15142 esteve parado durante 24 anos e armazenado desde 99 quando foi recebido dos EUA (onde tinha deixado de voar em 94) como parte integrante do Peace Atlantis II.

F-16 da Força Aérea Portuguesa / FAP
F-16 da Força Aérea Portuguesa / FAP

No processo de equiparar a aeronave à restante frota, a OGMA, com o auxílio da própria instituição militar (que antes da OGMA, era ela própria que realizava esse procedimento), procedeu à substituição do sistema eléctrico assim como à recuperação e melhoria estrutural do avião, de forma a aumentar em mais 3000 horas a vida útil do aparelho, o chamado "Falcon Up" e "Falcon Star", somando-se às 5000 iniciais. Este lote de 3 aeronaves irá receber novos sensores, "diplays", implementação de link 16, gravador de voz digital, software e radar ao nível do AN-APG68 (V)9, compatibilidade com capacete "display" JHMCS, novos rádios AN/ARC-238, protecção electrónica, sistemas de alerta ALQ-211 AIDEW e contra-medidas electrónica AN/ALQ-184, assim como compatibilidade com armamento moderno, equiparado aos restantes aviões da força.

F-16MLU e um P-3 (ao fundo) da Força Aérea Portuguesa em operação no Báltico em 2018 / FAP
F-16MLU e um P-3 (ao fundo) da Força Aérea Portuguesa em operação no Báltico em 2018 / FAP

Assim sendo, com esta reposição e depois de mais esta venda dos referidos 5 aviões para a Força Aérea Romena, a FAP passará a contar com 28 caças F-16MLU Block50/52 M5.2 e M6.1. Desde o início do Mid life Up-grade (MLU) os F16´s portugueses têm sido regularmente actualizados.   

A Roménia passará a contar com uma frota de 17 F-16MLU no padrão "OPF" M5.2. Não se sabendo para já se são previsíveis mais alienações portuguesas, é no entanto seguro presumir que com o início de 2020, entrámos na década final de serviço destas aeronaves em Portugal. 

De acordo com o próprio Ministério da Defesa, os F-16 "continuarão a assegurar a capacidade operacional da Força Aérea até serem substituídos por uma aeronave de 5.ª geração, o que deverá ser iniciado na próxima década", afirmava a entidade em comunicado de 2019. Dito isto, é normal que se recorra a uma alienação faseada, na medida em que se vai obtendo algum retorno financeiro, liberando também verbas para outros propósitos, facilitando inclusive a eventual futura substituição do modelo actualmente em uso.


Artigo sujeito a edição...

Portugal Defense News ...and global

Aeronave estava armazenada desde 1999 procedente do lote Peace Atlantis II, é o primeiro de 3 "novos" aviões a serem entregues à Força Aérea Portuguesa.

Foi entregue à Força Aérea Portuguesa (FAP) no passado dia 9 de Maio, o primeiro de três F16´s a serem modernizados pela OGMA (Oficinas Gerais de Material Aeronáutico).

O avião com o "tail number" 15142 esteve parado durante 24 anos e armazenado desde 99 quando foi recebido dos EUA (onde tinha deixado de voar em 94) como parte integrante do Peace Atlantis II.

No processo de equiparar a aeronave à restante frota, a OGMA, com o auxílio da própria instituição militar, procede (...)

Últimos artigos 

 

O MPAP pode ser facilmente aerotransportado e lançado sobre a área de operações e, por ser de reduzida envergadura, torna-se ideal para a unidade a que se designa, podendo ser facilmente ocultado e representando por isso uma mais valia para uma missão que se possa querer discreta.

Saiba quais as missões e onde estão e estarão projectados os militares portugueses dos três ramos das Forças Armadas no ano de 2020.